30 setembro 2011

10

Novos Tempos


Fiz para a edição bloinques... fiquem tranquilos, não sou tão depressiva XD
Fiz ouvindo essa música, que talvez nem todos gostem da letra, mas é muito boa como trilha sonora. Eu coloquei já que todo mundo gostou da última ><
Boa leitura!
Link da Imagem

Os sinos da igreja próxima enchiam seus ouvidos. A mão tremia, e a caneta insistia em fugir para longe, sendo logo recapturada e escrevendo à força palavras tristes e decisivas. Uma carta: A última carta.

Palavras obrigatórias como “Desculpe”, ou “Não sintam minha falta” eram desnecessárias. Quem sentiria sua falta que valesse à pena se desculpar? Ninguém.
E ela escrevia, e traçava seu destino conforme desenhava com cuidado a letra cursiva que todos consideravam feia. Mas ela não ligava. Nunca mais escreveria depois daquela carta.
Seu cabelo feio e desbotado caía sob seu rosto, e ela o colocava para cima. Pensava que logo ele não seria mais preocupação.
Batucava o pé no chão com impaciência, este sempre fora um de seus maiores vícios. Nunca mais se desculparia por isso.
Murmurava o que escrevia, vendo se as palavras faziam sentido se lançadas ao ar. Não faziam. Mas ela continuava. Não era missão dela entender depois o que estivesse escrito.
Uma lágrima caiu logo acima do ponto final. Dramático, claro. Era assim que ela queria seu fim: Dramático.
Jogou a caneta longe, onde a luz do pequeno abajur já não alcançava. A caneta lá se escondeu, parecendo satisfeita em não ter mais que participar de tão mórbida tarefa.
Ela sufocou o choro. Nenhuma lágrima. Queria que chorassem por ela.
Sua garganta doía. Estendeu as mãos secas até o papel rabiscado. Sentiu-o sob suas mãos. Liso... Maculado por palavras devastadoras.
Releu a carta, amassou o papel e os seus olhos se encheram de lágrimas. Desatou a chorar. Chorou a morte de seus pais e o afastamento de seus amigos. Chorou seus problemas e quando eles acabaram chorou os problemas dos outros. Chorou tanto, que quando parou de chorar, se perguntou se ainda havia água em seu corpo. E ela não tinha amiga nenhuma com quem chorar.
Levantou-se da mesinha onde passara a tarde escrevendo. Andou pela casa. Visitou cada um de seus escuros cômodos. Frios... Vazios...
Abriu a janela da sala. O Sol se punha e ela sabia que a Lua estava a caminho.
Ficou olhando para a luz do Sol, que desaparecia, e deixava uma escuridão angustiante. Olhou para o abajur da sala, que parecia aconchegante e confortador.
O céu ficou negro, e o abajur tornou-se a única fonte de luz. Ele se aproximou um passo dele, e outro, e outro... Para acabar com tudo... De uma vez...
Mas uma outra luz apareceu. Suave, quase doce.
Ela se virou, e viu a Lua. Seu brilho era tão fraco, que ela apagou o abajur. Ao ver a carta sumir na escuridão, sentiu-se livre...
Sentiu o peso de todas as lágrimas choradas indo embora...
Sorriu para a Lua, achou que a Lua sorriu de volta.
Pegou a carta, acendeu um fósforo e ficou observando-a queimar.
Respirou fundo. Uma brisa foi mandada pela janela e bateu em cheio em seu rosto. Era fresca e animadora.
Eram os ventos de novos tempos.

10 comentários:

  1. Nossa que texto lindo, com um toques de tristeza, adorei
    Sei bem como é escrever ouvindo uma música de vez em quando faço isso também adorei
    Beijo
    Bom final de semana

    http://marifriend.blogspot.com/
    @Storieandadvic

    ResponderExcluir
  2. Quando comecei a ler achei que acabaria em morte. Pensei "que coisa 'gótica'" Rs. Mas ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o blog, já estou seguindo ♥
    @ferdallan
    http://itfer.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Pensei que a menina ia se matar, mas não, ela apenas recomeçou um novo "eu", o que muitas vezs é necessário,vc é mt talentosa <3
    http://senhoritaliberdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, vim lhe fazer uma visita, desejar um ótimo fim de semana e um convite: http://iasmincruz.blogspot.com/2011/09/perguntem.html

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo texto! Conseguiu passar emoção, isso é bom.
    :D

    ResponderExcluir
  7. Putz..e eu aqui já preparando todo o comentario do tipo "pow..suicidio é uma merda e etc.." mas ai no final você mostra que a vida se resume em breves momentos (e detalhes) e que eles fazem toda a diferença.

    Como diz Charles Bukowski: "Não são grandes tragedias que deixam um homem louco, são as pequenas tragedias diarias".


    Abraço e sucesso. Muito bom o blog, parabens

    ResponderExcluir
  8. Noossa, pensei que iria ter um fim trágico, mas tudo terminou de bom \o

    ResponderExcluir
  9. Ai que texto lindo!! Lindo mesmo, conseguiu passar todas as emoções da menina. Beijos
    http://www.dinhacavalcante.com

    ResponderExcluir
  10. Oii Lara amei o texto, e você colocar uma música ficou muito legal, você pode até pensar que estou exagerando, mais exatamente quando terminei de ler a musica terminou, ficou perfeito, com efeito e minha imaginação tudo ficou incrivel, Beijos

    www.umteko.blogspot.com

    ResponderExcluir