01 abril 2012

4

À Luz do Dia



Hipócrita é quem teme o escuro,
Sendo que o que dá medo,
Acontece à luz do dia,
Sem ser nenhum segredo.

O ódio e a traição,
A guerra e sangue na mão,
O medo de outra explosão,
Nada aguarda a escuridão.

O Sol a tudo observa,
Sem nada tentar mudar,
Aos que o veneram, digo:
Tentem realmente enxergar.

Fiz esse antes da participação para o bloinques, mas pelo jeito o assunto é mais ou menos o mesmo haha
Fiz ouvindo Pitty, e justamente tentando passar essa mensagem: Com tanto horror espalhado pelo mundo, como podemos nos preocupar com coisas como o medo do escuro? O verdadeiro monstro está a nossa frente, e nós insistimos em procurá-lo debaixo da cama. Pois é, a verdade dói.
Comentários?

4 comentários:

  1. OMG *-* Já gamei no teu poema logo nos primeiros versos

    ''Hipócrita é quem teme o escuro,
    Sendo que o que dá medo,
    Acontece à luz do dia...''

    E seu momento de inspiração foi ao som de Pitty? Então fica melhor ainda *---*

    ResponderExcluir
  2. Com a noite vem o desconhecido... e as pessoas têm medo do que não conhecem. Vivo numa terra pequena por isso não sinto medo em andar à noite na rua, mas acredito que para quem vive na cidade, algumas zonas podem ser assustadoras.
    As pessoas não se lembram que é de dia que muitas coisas más acontecem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Também curti o poema.Eu acho que passamos muito tempo nos preocupando conosco e não olhamos o que acontece a nossa volta.
    Emilie Escreve

    ResponderExcluir