01 agosto 2011

7

Doce Decisão

Bom, é isso. Palavras no Espelho.
Está bem diferente, eu sei. E ainda vai mudar mais algumas coisinhas, mas nada que me obrigue a parar de postar.
Essa idéia eu tive quando fui no teatro. Faz tempo que não faço um texto por fazer. Fiz ouvindo essa música, para quem quiser.
Beijos!

Cheguei na frente do teatro, parei e olhei.
As luzes anunciavam a peça que eu sempre quis ver. Era meu pequeno sonho.
Mas eu não queria admitir que não estava completo sem ele ao meu lado.
Segurei a maré de sentimentos ruins. Hoje seria o meu dia. Já havia cansado de pensar só com o coração, e não com a cabeça.
Passei reto pela fila das pessoas que ainda iam comprar o ingresso, e entreguei o que eu comprara na semana anterior. Primeira fila.
Entrei em silêncio. Talvez a única no meio do burburinho que enchia o ar, fazendo todo o lugar vibrar de animação. Me deixei tomar por essa energia e limpei minha cabeça.
Sentei no lugar vazio, e desviei o olhar da poltrona vaga a minha direita. O lugar havia sido comprado, mas nunca alguém sentaria lá.
As luzes se apagaram e me assustei com o silêncio mortal. No meio da escuridão olhei fixamente para tentar distinguir a cortina que eu sabia que se abria.
As primeiras luzes iluminaram o palco, e suspirei. O espetáculo dançava nos meus olhos mas não fazia sentido em minha mente. Apesar de conhecer a história a tempos, nunca havia visto-a retratada, e sempre quis.
Senti uma pessoa sentando ao meu lado e fiquei tensa, pronta para dizer por algum motivo que já tinha lugar.
Mas os olhos dele travaram qualquer palavras que eu tentasse formular.
-Quando vi um lugar vago, me perguntei se ainda tinha dono.
-Sim - falei amargamente - o dono o comprou.
-Mas não comprou  para assistir essa peça - ele falou docemente - foi para assistir a platéia, especialmente a jovem ao lado dele.
Um sorriso me escapou aos lábios.
-Deixe a jovem em paz para assistir então - e voltei a minha atenção ao complexo diálogo de outra época, segurando uma lágrima.
-Não até que esta donzela permita-me observá-la.
Eu estava confusa. Não o queria perto de mim, mas ao mesmo tempo...
-Já não observou o bastante? - fingi irritação - tire uma foto, vai durar mais.
-Me perdoe - ele desistiu da metáfora - eu te amo.
As três palavras soaram em minha alma, enquanto o galante jovem repetia-as para a jovem dama a mil anos atrás, mas assim mesmo na minha frente.
-O que essa dama fará com esta afirmação? - perguntei virando-me para a peça.
Ele sorriu. Também conhecia o roteiro. Um longo e apaixonado sim. Essa era a resposta da dama.
A peça correu lindamente. Com meus olhos presos ao palco e a mão dele segurando firmemente na minha, como que com medo de me deixar fugir.
Quando terminou, tenho certeza que fui a primeira a aplaudir de pé. E quando o olhar da donzela foi atraído para mim, pisquei e lhe mandei meu mais doce sorriso. A decisão da donzela de manter seu amor com seu príncipe foi a inspiração para manter o meu amor ao único que realmente o possuía.
E naquele momento me senti grata a personagem por pensar com o coração, não com a cabeça.

7 comentários:

  1. Primeiramente...
    O blog está com uma cara misteriosa e encantadora, muito sutil e envolvente, eu gostei.

    Segundo...
    Sobre o texto, me senti sentada numa poltrona a assiste dois romances ao mesmo tempo- o da tela e o da plateia. Muito intrigante a forma na qual você escreveu... Parabéns.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Me senti dentro da história, isso é lindo. Adorei como você entrou na cabeça dos personagens de forma tão doce. Me emocionei *-*
    Beijoooos

    ResponderExcluir
  3. kkkk ri lendo esse textinho do comentario. xD
    enfim que mudança em..
    muito show. parabens
    e parabens adorei seu texto ficoumuito bom. as pessoas s sente nele. =D

    ResponderExcluir
  4. Ai, que texto lindo!
    Adorei aqui também! Ficou simples e bonito, sem deixar de ter seus toques pessoais.
    Beijos!
    http://verboprocrastinar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Cara, o melhor texto que eu li hoje, o blog está muito vintage está adorável mesmo. Quanto ao texto, a menina se sente dentro do romance no palco, o que deixa tudo mais lindo. Eu me senti no seu texto. Adorei.

    ResponderExcluir
  6. Adorei esse fato da menina se sentir dentro da peça, torna tudo mais verdadeiro. Adorei o novo visual daqui, ficou bem legal...
    http://senhoritaliberdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto, e o blog também. Você escreve muito bem, tem um grande talento!

    ResponderExcluir